Você está aqui: Página Inicial > Modais > Infraestrutura Aquaviária > Hidrovia do Solimões

Hidrovia do Solimões

por André Cavalcante Moreira publicado 27/12/2018 10h35, última modificação 27/12/2018 11h17
Hidrovia do Solimões

 A hidrovia do Solimões é uma das principais vias de transporte e escoamento de cargas na região Norte, sendo o seu rio o principal formador do rio Amazonas. Apresenta extensão de 1.630 km e percorre as bacias dos rios Iça, Japurá, Juruá, Jutaí, Negro e Purus. A hidrovia é uma continuidade da hidrovia do Amazonas.

 Esta hidrovia é fundamental para o comércio interno e externo da região Norte porque propicia a oferta de produtos a preços competitivos. A infraestrutura hidroviária da região é constituída por vias de navegação em corrente livre e por trechos de rios canalizados, onde são realizados os deslocamentos de passageiros, transporte de pequenas cargas e transporte cargas.

 

Características Gerais

 A hidrovia do rio Solimões se desenvolve no sentido Oeste-Leste da fronteira do Brasil até o município de Manaus (AM), na região norte do país, e atravessa o território de 87 municípios nos estados do Acre, Amazonas, Rondônia e Roraima.

 Segundo o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes - DNIT, o período de enchente da hidrovia do Solimões se encontra entre fevereiro e junho e o período de vazante entre julho e outubro. A vazão média da hidrovia Solimões, próximo a sua confluência com o rio Negro, é de cerca de 100.000 m³/s.

 O leito da hidrovia muda frequentemente, o que provoca alteração nos canais navegáveis de um ano para o outro, resultando no surgimento e deslocamentos de bancos de areia, ilhas e erosão de margens, podendo ocasionar em perigos isolados ao longo da hidrovia. Há trechos com possibilidade de visibilidade restrita devido às queimadas, fortes chuvas e de nevoeiros que ocorrem normalmente pela manhã.

 Em virtude dessas mudanças pode ser necessário realizar ações de fundeio no trecho entre Manaus (AM) e Tabatinga (AM), para que a navegação seja realizada com a luz do dia e com segurança. No período de seca é possível observar a formação de praias e surgimento de pedrais. No período de cheia, os troncos e galhadas de árvores representam riscos à navegação, se concentrando na porção mais profunda dos canais, onde a corrente de água é mais forte.

 

Características Físicas

 Extensão navegável: 1.630 km

 Largura média: 1.210 m

 Regime Hidrológico

 Período de águas baixas: julho/outubro

 Período de águas altas: fevereiro/julho

 Navegabilidade

 Sistema de sinalização/balizamento: Farolete Manacapuru NRORD 469, Farolete Barro Alto NRORD 470.

 Restrições à navegação: Não existe nenhuma restrição; navios mercantes navegam pelo rio até a cidade de Iquitos (Peru), com a obrigatoriedade de serem conduzidos por um prático a bordo.

 

Localização:

 

 

Galeria de Fotos: